Magoo News Publicidade 1200x90
25/01/2022 às 12h35min - Atualizada em 25/01/2022 às 12h35min

Minas mantém barragens com risco 3 anos após Brumadinho

Estado segue com dezenas de estruturas a montante, consideradas mais vulneráveis a rompimento, apesar de lei determinar sua desativação. Desastre de 2019 deixou 270 mortos

nexojornal
nexojornal
Três anos depois do rompimento de uma barragem de rejeitos de minério de ferro em Brumadinho (MG), no desastre que se tornou o maior acidente de trabalho já registrado no Brasil, o estado de Minas Gerais ainda mantém barragens em nível de perigo e não desativou aquelas que deveriam ter sido encerradas por lei.

Sancionada em fevereiro de 2019, um mês depois do desastre que faz aniversário nesta terça-feira (25), a legislação conhecida como “Mar de lama nunca mais” deu um prazo de três anos para que todas as barragens a montante no estado fossem desativadas por meio de um processo chamado de descomissionamento. Em 2022, ainda há 49 barragens desse tipo em Minas Gerais. O prazo estabelecido para que todas sejam encerradas termina no dia 25 de fevereiro.

Entre as barragens a montante no estado, 39 são estruturas classificadas em nível de emergência — três das quais no maior patamar de risco —, segundo reportagem do jornal O Globo publicada no início de janeiro. Barragens a montante costumam ser mais vulneráveis por conta desse método, que permite que o dique inicial da estrutura seja ampliado para cima quando ela fica cheia, utilizando o próprio rejeito do processo de beneficiamento do minério como fundação da barreira de contenção.

O desastre de Brumadinho deixou 270 mortos em janeiro de 2019. A barragem que se rompeu pertencia à mineradora Vale. Em 2015, na cidade de Mariana (MG), a ruptura de outra barragem da Vale assolou o rio Doce e se tornou o maior desastre socioambiental da história do país.

Entre o fim de 2021 e o início de 2022, a preocupação com o estado das barragens em Minas Gerais se renovou depois que o estado foi atingido por fortes chuvas. Mineradoras suspenderam suas atividades no período dos temporais mais intensos, no início de janeiro. Segundo a Defesa Civil do estado, havia 25 mortos por conta das tempestades até esta segunda-feira (24).

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://magoonews.com.br/.
Magoo News Publicidade 1200x90
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp