Magoo News Publicidade 1200x90
01/12/2021 às 07h48min - Atualizada em 01/12/2021 às 07h48min

Especialistas apontam risco de recessão técnica em resultado do PIB do 3º tri

Mercado projeta resultado negativo, mas, ainda que seja positivo, a variação seria pequena, o que leva a um cenário também de estagflação

Pedro Malardo CNN Brasil BusinessSão Paulo
https://www.cnnbrasil.com.br/business
Desempenho fraco do setor de serviços influencia o resultado ruim do PIB Freepik/jcomp

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil referente ao terceiro trimestre será divulgado na quinta-feira (2), e a expectativa do mercado é que o país entre na chamada “recessão técnica”.

O termo se refere à situação em que o PIB — a soma de todas as riquezas produzidas no país — de dois trimestres seguidos é negativo. O PIB do primeiro trimestre de 2021 cresceu 1,2%, mas o do segundo recuou 0,1%. Com isso, um resultado negativo englobando julho, agosto e setembro colocaria o Brasil nesse cenário.

Guedes diz estar confiante em aprovação da PEC dos Precatórios no Senado Rio Bravo prevê retração do PIB e inflação ameaçando teto da meta em 2022 Mercado vê inflação de dois dígitos em 2021 pela 1ª vez e piora previsão para PIB

Para os especialistas ouvidos pelo CNN Brasil Business, mesmo que o resultado do PIB seja positivo, a variação seria pequena, o que mostraria, na verdade, um cenário de estagnação da economia.

A ausência de crescimento econômico em um cenário de inflação alta — o avanço acumulado em 12 meses até outubro é de 10,67% — caracteriza a chamada estagflação.

A perspectiva atual é de que o resultado desta semana vai corroborar para esse fenômeno, menos grave que quadros recessivos como o da década de 1990 ou de 2016, mas ainda negativo pensando na recuperação da economia pós-pandemia.

A expectativa do mercado é que o PIB do terceiro trimestre seja negativo, algo corroborado pelo resultado do IBC-Br, considerado uma prévia do indicador. O valor exato da queda, porém, ainda não é consensual.

Claudio Considera, pesquisador associado do Ibre-FGV, afirma que espera uma queda de 0,1% do PIB na comparação com o trimestre anterior. “A economia perdeu fôlego no período recente, em especial o setor de serviços, que tinha um desempenho de melhora e começou a falhar precocemente”.

Já Sérgio Valle, sócio da MB Associados, aposta em um recuo de 0,3%. “É uma ideia de estagnação porque a queda do PIB seria pequena se ocorrer, em torno de zero. É mais estagnação do que recessão”.

Há aqueles, ainda, que apostam em um resultado positivo, mesmo que pequeno. É o caso de Yihao Lin, economista da Genial Investimentos, que espera uma alta de 0,1%.

Em todos os casos, porém, há a visão de que a economia brasileira dá sinais de desaceleração, e até de estagnação. Vale considera que o cenário é diferente dos momentos de recessão, com quedas mais expressivas do PIB, mas que há uma “falta de estímulo de crescimento” que deve perdurar também no quarto trimestre.

Considera diz que o resultado fraco do PIB, seja ele positivo ou negativo, está associado principalmente a uma perda do poder de consumo da população. Essa perda, por sua vez, é consequência da alta da inflação, acompanhada de uma queda da renda das famílias no período.

A aceleração da inflação está ligada a uma série de fatores, entre eles a desvalorização cambial, a alta dos combustíveis, os custos de energia mais elevados e uma certa demanda maior com a reabertura da economia.

O agronegócio demandará atenção na quinta-feira, segundo Vale, devido aos potenciais impactos negativos da seca registrada no período. O setor mais afetado, porém, é o de serviços, que corresponde a cerca de 73% do PIB.

O setor recuou em setembro, mas Lin afirma que ainda houve um certo avanço nos meses anteriores, o que sustenta as chances de o PIB trimestral ser levemente positivo.

Para Considera, “é importante olhar o consumo das famílias pensando em serviços porque hoje os impulsos na economia são pelo consumo. Os investimentos não estão conseguindo alavancar a economia”.

Vale afirma que o afastamento de investimentos, ou o represamento dele, liga-se às instabilidades políticas e fiscais atuais. “O governo gerou uma incerteza ante gastos públicos, a taxa de câmbio subindo mais e você mistura isso com incerteza da eleição. O investimento fica travado”. O quadro não tem, para Vale, uma perspectiva de solução.

Considera afirma que o cenário para o quarto trimestre para 2022 ainda é negativo, pois há a perspectiva da continuidade da instabilidade política, e consequentemente fiscal, assim como a maior parte dos efeitos das altas recentes na taxa básica de juros, a taxa Selic, pelo Banco Central.

“O Banco Central enfrenta um dilema: ter que aumentar a taxa devido à inflação, mas aí derrubar ainda mais a economia”, diz.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, chegou a afirmar em um evento em novembro que o Brasil teve um crescimento econômico “acima da média” global, mas, segundo Vale, no ano passado, o país caiu mais que a média mundial

“Foi cerca de 4% ante 3% de média. Esse ano o mundo deve crescer 6% e o Brasil uns 4%. O mundo vai crescer uns 5% ano que vem e o Brasil menos de 1%.  São três anos com resultado pior, o que mostra a dificuldade da pandemia e de ter uma retomada mais consciente”, diz Vale.

Considera também afirma que “o desempenho do Brasil está pior que no resto do mundo”, algo ligado a fatores políticos, fiscais e pela demora na vacinação.

Segundo o economista da Genial Investimentos, um aspecto positivo é a evolução do mercado de trabalho, com um certo nível de recuperação do emprego, em especial no setor de serviços, o que mostra que o Brasil não estaria exatamente em um quadro de recessão.

“Com o setor de serviços impulsionando o crescimento nos próximos meses com a reabertura e um retorno ao patamar pré-pandemia, não vejo um cenário recessivo, mas sim de desaceleração”, diz.

Mas, para Considera, o cenário de estagflação no Brasil é claro. “São 15 milhões de desempregados, inflação de dois dígitos e um PIB capengando. Já viemos de resultados de PIB ruins, e com a pandemia piorou”.

“O que é preocupante é que em 2020 houve uma recessão forte. A estagnação agora talvez perdure para 2022, então, a pandemia tem essa estagnação que pode durar três anos, porque a pandemia ainda estará presente, vide a variante Ômicron, que deve trazer turbulências mundo afora, disrupções nos países desenvolvidos”, diz Vale.

 

Jerome Powell diz que Ômicron ameaça recuperação econômica dos Estados Unidos Ainda sem impacto da Ômicron, índice de incerteza tem 2ª queda seguida em novembro Turismo mundial deve fechar 2021 com rombo de US$ 2 trilhões, aponta OMT

Dependendo do referencial, porém, o Brasil pode estar não apenas em uma estagflação, mas ainda em uma recessão. “A recessão foi datada no primeiro trimestre de 2020 pelo Codace [Comitê de Datação de Ciclos Econômicos da FGV] e ele não datou a saída até agora”, afirma Considera.

“Quando olha a questão da recessão, você considera emprego, inflação, uma série de coisas, e até agora não se falou de saída de recessão, não importa ter dois números negativos trimestrais seguidos agora ou não, porque a economia está estagnada”.

 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://magoonews.com.br/.
Magoo News Publicidade 1200x90
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp