29/11/2021 às 09h12min - Atualizada em 29/11/2021 às 09h12min

Cultura +

meio
Meio

Cultura

“I like to be in America.” Até quem detesta musicais ou nunca ouviu falar da peça West Side Story (1957) ou do filme homônimo de 1961 reconhece o primeiro verso da canção America (YouTube). É um tributo ao gênio do letrista e compositor americano Stephen Sondheim, que morreu na última sexta, aos 91 anos. A revolução que provocou no teatro (e, por tabela, no cinema) musical americano não se limitou à adaptação para a Nova York do fim dos anos 1950 de Romeu e Julieta, feita em pareceria com outro gigante, Leonard Bernstein (1918-1990). Em 1979, Sondheim levou à Broadway Sweeney Todd, a história de um barbeiro assassino na Londres vitoriana, mostrando que não havia temas sensíveis demais para sua criatividade. Pode não ter sido o autor de musicais mais popular, mas foi o mais reconhecido: oito prêmios Tony, o mais importante do teatro americano, oito Grammys, um Pulitzer e até um Oscar, pela canção Sooner or Later (YouTube), interpretada por Madonna em Dick Tracy (1991). (Folha)

Para ler com calma: “Estou velho demais para viajar muito, lamento dizer. O que mais deveria fazer com meu tempo além de escrever?”, indagou Sondheim em sua última entrevista, apenas cinco dias antes de morrer. E ele falava sério. Estava trabalhando em Square One, uma adaptação para os palcos de dois filmes do espanhol Luis Buñuel (1900-1983), O Anjo Exterminador (1962) e O Discreto Charme da Burguesia (1972). (New York Times)

Aliás... Estreia no próximo dia 9 a refilmagem dirigida por Stephen Spielberg de West Side Story (trailer). A americana de ascendência colombiana Rachel Zegler vive a protagonista porto-riquenha Maria, interpretada pela eslava Natalie Wood (1938-1981) na versão original. E a porto-riquenha de verdade Rita Moreno, que ganhou o Oscar de Atriz Coadjuvante em 1961 como Anita, a melhor amiga de Maria, agora, aos 89 anos, é Valentina, dona da loja da esquina e distribuidora de bons conselhos.


Mônica Bergamo: “A editora Todavia vai lançar em 2022 a tradução dos dois únicos romances do músico Leonard Cohen, morto em novembro de 2016. The Favourite Game (1963), que narra a vida de um jovem canadense que se muda para Nova York, já foi publicado no Brasil, mas é a primeira vez que Beautiful Losers (1966) ganha uma versão em português.” (Folha)Mesmo sem jamais ter cogitado deixar sua Cuba natal, o escritor Leonardo Padura tem no exílio e na perda da identidade o tema de seu mais recente livro, Como Poeira ao Vento, sobre um grupo de amigos que experimenta cada um a seu jeito a vida fora do país. Embora admita que, se não tivesse editores fora de Cuba, boa parte de seu trabalho jamais seria escrita, ele diz que a sociedade cubana mudou muito com a revolução tecnológica e que a necessidade de liberdade está em jogo no país, além de criticar duramente o embargo imposto pelos EUA a Cuba desde 1961. (Globo)


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://magoonews.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp