Magoo News Publicidade 1200x90
13/05/2024 às 11h57min - Atualizada em 14/05/2024 às 08h05min

Inovação: por que a Saúde 4.0 é importante?

NB PRESS
Health Angels
*Por Rafael Kenji Hamada, CEO da Health Angels Venture Builder 
 

Inovação nada mais é do que transformar ideias em soluções. Quando existe uma necessidade latente ou urgente, sua atuação acontece em pleno potencial. É o caso do rápido crescimento populacional, ou de forma mais trágica e infeliz, das guerras e pandemias. Mas é no setor da saúde que o conceito se desdobra de forma mais clara, sobretudo em momentos como esses.  

 

Desde a criação do soro fisiológico para tratamento dos feridos durante a Primeira Guerra Mundial até a descoberta dos antibióticos com a acidental criação da Penicilina por Alexander Fleming, em 1928, na Segunda Guerra. Vacinas que demoravam mais de dez anos para serem desenvolvidas e testadas foram aplicadas em 2020, na pandemia de Covid-19, após dez meses de estudo e criação – feito que deu o Prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia de 2023 à bioquímica húngara Katalin Karikó e ao médico norte-americano Drew Weissman, devido às descobertas de imunizantes de RNA mensageiro. 

 

Como é evidente, a inovação na saúde acontece muito antes desse “novo cenário”. Em 1996, por exemplo, surgiu no Brasil o conceito de “clínicas populares”. Consultas com valores entre R$ 50 e R$ 90 ficaram mais acessíveis à população, que aguardava o atendimento do SUS, ou que conseguia arcar com consultas esporádicas. Mas para ofertar essa média de preço, o médico precisaria receber menos pelo atendimento. Para o povo, criou-se uma solução, mas para a classe médica, um desafio frente à desvalorização do profissional, com o aumento da oferta pela criação crescente das Escolas Médicas no país, com seu pico de crescimento após o ano 2000. Novas soluções precisariam, então, ser criadas, olhando também o profissional de saúde como usuário. 

  

A chegada de dispositivos inteligentes, como aplicativos de monitoramento de saúde e wearables, permitiram uma abordagem mais proativa à área, capacitando os indivíduos a monitorarem seus próprios sinais vitais e a tomarem medidas preventivas. Além disso, a telemedicina emergiu como um recurso crucial, conectando pacientes a profissionais mesmo em áreas remotas, reduzindo as barreiras de acesso aos cuidados médicos. O profissional de saúde passou a ter maior facilidade no acompanhamento dos seus pacientes, com dados monitorados à distância e a diminuição do tempo de deslocamento. 

 

A pesquisa científica também experimentou um crescimento exponencial. Instituições de renome no país investiram em estudos inovadores, explorando novas terapias, medicamentos e técnicas cirúrgicas. Esses avanços não apenas ampliaram o espectro de tratamentos disponíveis, mas também posicionaram o Brasil como um polo de excelência na produção de conhecimento em saúde. 

 

Contudo, apesar desses avanços, desafios persistentes continuam. A desigualdade no acesso a essas novas tecnologias e tratamentos é um exemplo. Enquanto áreas urbanas e centros médicos de excelência abraçam rapidamente as inovações, muitas comunidades rurais e de baixa renda ainda lutam para conseguirem serviços básicos de saúde e as últimas novidades tecnológicas. Além disso, a complexidade do sistema brasileiro e a burocracia muitas vezes dificultam a rápida implementação e adoção de inovações no setor. 

  

Para superar esses entraves, é crucial o esforço conjunto entre os setores público e privado, incluindo investimentos contínuos em pesquisa e desenvolvimento, políticas que promovam a democratização do acesso à saúde e a simplificação de processos para a introdução de novas ferramentas. 

 

Afinal, a inovação está moldando um novo paradigma para a saúde no Brasil. Os avanços em cena aceleraram o processo de digitalização e instituições públicas e privadas já utilizam a tecnologia como forma de melhorar o atendimento do setor, diminuindo custos e ampliando o cuidado. Portanto, a evolução da inovação na área está em curso, com potencial que se assemelha ao tamanho continental do Brasil. 

 

*Rafael Kenji Hamada é CEO da Health Angels Venture Builder, fundo de investimento no formato Venture Builder cujo principal objetivo é desenvolver soluções inovadoras nas áreas de saúde e educação - [email protected] 


Notícia distribuída pela saladanoticia.com.br. A Plataforma e Veículo não são responsáveis pelo conteúdo publicado, estes são assumidos pelo Autor(a):
DEBORAH EVELYN SOSA FECINI
[email protected]


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://magoonews.com.br/.
Magoo News Publicidade 1200x90
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp